Em homenagem á todos que tem amigos de verdade. Desculpa pelo tamanho. Mas era algo que eu queria muito compartilhar com vocês. Sobre minha personagem Nina. 

   Quando de tudo e um pouco enervante de nublado, ela estava lá para me consolar. Quando o sol nascia comigo, ela jazia lá do meu lado. Quando as rugas eram veementes, ela estagnava ao meu lado; mesmo para apontar um dedo na ferida da verdade verdadeira dita.
     Minha amiga. Minha irmã. Minha prima.
      Esta sou eu Nina Nolasco. A garota de all star surrado. Cabelos enegrecidos sublinhados por óculos fundo de garrafa. E a desgovernada como um carro fora de foco em que vivia tropeçando  nas coisas.
     Esta sou eu Nina. Nolasco. Contudo, oblitera essa merda que eu disse lá em cima. Nunca fui de pieguices. No entanto, eu tenho uma grande amiga.
   De amiga, Ana, era ruiva salpicada de sardas e um corpo de tocar qualquer notas musicais. Ou seja, violão. Ou como queira.
  Certo dia, conversávamos à beira mar, no Rio de Janeiro com um grupo de "amigos" sinistros. Eu já havia discutido várias vezes com ela por tal "amizade". Mas ela toldava sua visão para algo bem mais sinistro.
                                                            Naquele dia, ela, inquieta como sempre foi e com olheiras emendadas de roxo sob os olhos, Ana que não era Ana continuou sendo Ana.
                                                            Não. Ela ainda não percrustou alterada. Mas o desassossego era grande. Como sua roupa, rotineiramente, preta de comprida a esconder os furos do corpo maltratado.
                                                            - Então Nina, não está afim de um? Ofereceu um dos grandes expelindo fumaça dantes de mim tragar meu cigarro.
                                                            - Não obrigada.
                                                             - Ana?
                                                             Ana de câmera lenta segurou com prazer a coisa. Eu apreensiva e por reflexo o joguei na calçada. Alguns traunsentes observavam. Eu continuei firme no meu próposito encarando Ana. Ana impaciente agachou a pegar seu tesouro. Os grandes de interesse irônico a vislumbrar. Eu apertei o pulso de Ana e a recobrei de si mesma.
                                                            - Não faça isso. Por mim.
                                                             - Me solta. Eu necessito. Me solta. Gritou ela chamando a atenção de alguns policiais.
                                                               - Ana para com isso. Está chamando a atenção. Por favor você prometeu parar. Por mim.
                                                               - Me solta agora. Ela de forças sobrenaturais me empurrou de cair ao encontro do calçadão.
                                                                  Que porra de amiga era essa? A partir daquele momento vi que ela necessitava de mim e ainda por cima de mim novamente. De mim Ana não era minha amiga. Não naquele momento.
                                                                 - Algum problema senhoritas?
                                                                Os grandes haviam ido embora. Os dois policiais, um delgado e o outro robusto, saquearam a coisa.
                                                                Os policiais. Saquearam a coisa.
                                                                A coisa era o crack. Minha amiga era usuária de drogas.
                                                                 - Então alguém me dirá de quem é isto aqui. Apontou o robusto.
                                                                  Ana cruzou os braços aflita. Eu mudei os lábios já mudos de falar com os olhos tagarela.
                                                                - É meu. Joguei toda coragem que existia em mim. E por assim dizer usei a cara que um usuário faria.
                                                                Ana remexia nos pés agoniada por tomar o crack do robusto num frenesi de loucura. E eu lhe dei a minha vida praticamente assumindo uma culpa que de minha para ela se voltou contra mim.

Naia Mello


Um Comentário

  1. LINDO!
    e o que seríamos sem os amigos ?!

    beiijo querida
    *.*

    ResponderExcluir