Eu havia despertado ao pesadelo. Quando percorria corretamente, Michel, havia aparecido como fantasma. De fantasma me apreendeu de atarantar.
- Nina? indagou ele com seu habitual olhar distante. O destino me trouxe aqui para alguma coisa. Veja só esse mar.
Eu engoli em seco. Gabriel sorriu irônico se afastando. De afastar fiquei taciturna sem compreender.
  - Nina está entregue ao seu amiguinho. Disse Gabriel com a voz estranha observando com minúcia umas garotas de biquíni e indo embora.
Desapontamento me corroborou enquanto Michel pasmado e meio aliviado me aguardava. A vontade de pular no pescoço dele era pouco. A minha imagem refletia como o trânsito caótico uma assassina brutal.
- Então satisfeito ?
- Eu não sabia até ver tudo. Eu.
- Não pêra. Não vai dizer que o destino é o culpado de tudo? Joguei sarcástica.
                                                                  - Nina mantenha a calma - ele aferrou meus pulsos.
                                                                  - Vou fazer você enfiar a merda dessa calma.
                                                                   - É que eu tinha que lhe ver.
                                                                    Aquilo de súbito me amoleceu até os tornozelos.
                                                                     - Como?
                                                                      - Eu estou me apaixonando por você.
                                                                       Novamente mais fisgadas lânguidas. Meu coração de voluntário para involuntário acelerou de um ímpeto. Ele havia dito sério? Balancei a cabeça. Porque eu me sentia assim quando jazia rente a Gabriel e a Michel? E agora? Seria amor? Paixão?
                                                                       Dos três se vinha a confusão. De confusão advinha os sentimentos de profusão.
                                                                        Eu somente o abracei com êxtase. E ele enxugou minha omoplata com as pontas dos dedos.
                                                                  De uma coisa era certa, o acaso, me impulsionara aos dois. E nesse instante descobri uma coisa. A coisa que de ruim se transmudava para boa.
                                                                    Um brinde ao acaso.


Em breve mais aventuras de Nina. Digo estórias bem curtinhas.  


5 Comentários

  1. tem alguns selinhos pra você lá no meu blog..
    passa lá depois pra pegar :)
    beijos:*

    ResponderExcluir
  2. hauahua! Gostei. e me diverti tbm!

    ResponderExcluir
  3. Ameeei *-*
    Ps: Te indiquei para um selo, depois vê lá :)

    ResponderExcluir