Ela pensava nele sempre que surgia sua imagem mental em sua cabeça. Ela ouvia músicas e lá estava ele representado nelas. Ele representava a mudança porque como espelho e sintonia em atitudes e palavras aquilo a afetava e ela transmudou-se. Ele era a paciência contida, as discussões em detalhes do que a irritava, ele a ouvia e a compreendia, ele era o reflexo do que ela via ao espelho. Ele era os defeitos da procrastinação, ele era a risada gostosa de se ouvir, ele era o brilho dos olhos dela, ele era o ombro amigo nos momentos de ansiedade, insegurança e incerteza. Ele era a loucura e manias que fazia ela balançar a cabeça. Ele era o incentivo para se tornar uma versão melhor de si, ele era o enfrentamento dos próprios medos, ele era o egoísmo instalado em atitudes na sua sombra.
Ele era o dia, tarde e noite, ele era a representação dos seus amigos e familiares. Ele era a segurança, as vezes mágoa, mas ele era continuidade de um tempo que ela nunca imaginou está.
Ele continuava ali depois de muito tempo e ela sentia algo dentro do peito que florescia e a fazia sentir todas as emoções ao mesmo tempo, mas ela não tinha medo da perda, e decisão era a mudança necessária. As vezes ela queria ir embora, desistir de tudo, tomar outro rumo, e se afastar. As vezes, ela de fato se afastava, mas não era por mal, era uma necessidade da sua personalidade idealizadora que vivia no futuro, mas hoje buscava meios de está no presente e que nada tinha controle.
A falta de controle causava ansiedade, viver no futuro, idealizações, agonia e querer controlar o outro para se sentir seguro. Mas nada era garantia de nada, e tudo mudava para melhor mesmo que não compreendesse.
Por mais que os ponteiros tenham se acertado, eles estavam juntos, a vida era incerta e isso a assustava e dava a vontade de voltar ao controle, mas nada se controla. Ela aprendeu a respeitar a vontade alheia e a si própria e instalar limites. Ela aprendeu que a única pessoa que deveria ter expectativas era para ela mesma. Ela aprendeu que hoje é hoje, amanhã é amanhã.
Ele era saudade, ele era a música romântica tocada no rádio, ele era o pulsar dentro dela, ele era a emoção que se instalou nela, ele era o passado, presente e futuro. Ele era o limiar do aprendizado no relacionamento a dois. Cada um tem suas questões, no entanto quando juntavam os dois a dificuldade era instalada, mas não era impossível, porque se os dois querem, os dois vão caminhando na continuidade.
Ele era parecido com ela, ele era série, calmaria, praia, rock, e seu próprio espelho.
E o que ela via no próprio espelho?
Ela via a luz e sombra, yang e yin, segurança e inteligência emocional, e a mulher que precisava ser e as mudanças que seriam necessárias para o crescimento pessoal.


 Não fazia mais frio lá fora, o cabelo mudou de cor, os passos assumiram decisões e direcionamentos distintos e a inocência foi deixada para trás. Na verdade, o passado deveria ficar no passado e o futuro no futuro, os pensamentos devem voltar ao presente e ao agora e viver a realidade.
Sem ilusões e comportamento bobo ou tolo, a verdade está ali e não precisava ficar confusa ou não deixar ninguém entender. A verdade estava ali, a realidade estava ali, o presente é para ser vivido e o futuro a Deus pertence.
Para que ser certinha, para que ser ingênua? Para que antecipar o futuro e quebrar sempre a cara pelos mesmos erros?
Erros. Erro de priorizar o outro. Erro de querer atenção o tempo todo, erro de querer controlar o outro o tempo todo, erro em sonhar com o futuro e afugentar as pessoas porque elas vivem o presente.
Erro de viver no passado e em sentimentos do passado. Como dá a chance a alguém se continua vivendo o passado e o futuro e nunca foca no presente pelo medo de visualizar a realidade.
A segurança estava nela e não no outro, a atenção estava nela e não no outro, a presença estava nela e não no outro, o entendimento tem que ser dela e não do outro, a prioridade tem que ser dela e não do outro. O sentimento era só dela e não do outro. A expectativa era dela e não do outro. A decisão era dela e não do outro.
Não havia medo da multidão e aproximação do outro, não havia mais tristeza constante e nem dor, não havia mais olhar duro ou arrogante para com o outro. Tudo estava leve e calmo. Tudo estava mais decidido e ativo. Quando ela conseguia olhar o aqui e agora não havia sofrimento ou expectativa. No entanto, havia ambivalência em suas decisões no qual uma parte queria uma coisa e a outra parte queria outra.
O segredo seria unificar a decisão, para isso deveria buscar sua segurança, não se importar com os outros e viver o que de fato queria. Principalmente vê nos outros os bons aspectos e não somente os aspectos negativos. Primeiramente deveria doar-se como prioridade e focar em sua vida que o resto aconteceria no seu tempo.
O presente que importa e nunca o passado e tampouco o futuro.
O presente era sua prioridade para vê as coisas como realmente são e viver na plenitude da felicidade porque haveria esperteza nas suas escolhas. Ela buscava verdade em suas escolhas e atitudes e procurar não ficar em cima do muro.
Ela escolheu viver o presente sem ter certeza de nada afinal na vida tudo era risco.
Ela era a sua real prioridade.